Tópicos | eleições

No mundo internacional não é nada incomum ver pessoas famosas adentrando à esfera da política. Não é diferente no Brasil, onde vários nomes conhecidos já conseguiram ser eleitos em cargos políticos. A reportagem do LeiaJá separou algumas figuras do futebol que pretendem disputar as eleições deste ano.

O primeiro nome da lista é do ídolo do Grêmio, Douglas, conhecido pelo apelido de ''Maestro Pifador''. Aposentado desde 2020, O ex-jogador vai concorrer ao cargo de deputado federal, no Rio Grande do Sul, pelo Partido União Brasil (UNIÃO).

##RECOMENDA##

Em atividade como treinador de futebol desde 1999 e atualmente sem clube, Gilson Kleina se lançou como candidato a deputado federal pelo Paraná, junto ao Progressistas (PP). Sua última passagem por algum time foi pela Chapecoense, ainda neste ano.

Outro personagem conhecido na esfera futebolística e que ganhou destaque nos últimos anos, Jeferson Thiago, o sósia do Gabigol, lançou-se como candidato a deputado estadual no Rio de Janeiro, pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB).

Após mais de 30 anos de carreira como treinador, Joel Santana será candidato a deputado federal pelo Rio de Janeiro. Atualmente com 73 anos, o ''Papai Joel'' se encontra no Partido Republicano da Ordem Social (PROS). Seu último clube foi o Black Gold Oil, dos Estados Unidos, em 2017.

Apesar de católico, Jair Bolsonaro (PL) tem o voto evangélico como uma das bases de apoio a sua reeleição. Com o presidente em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto, um dos seus deputados mais fiéis, o pastor Marco Feliciano (PL), afirmou que espalha a informação de que a eleição de Lula (PT) repercutiria no fechamento de igrejas. 

De acordo com a CBN, o parlamentar confirmou que reproduz a mentira aos fiéis da sua congregação. "Conversamos sobre o risco de perseguição, que pode culminar no fechamento de igrejas. Tenho que alertar meu rebanho de que há um lobo nos rondando, que quer tragar nossas ovelhas através da enganação e da sutileza. A esmagadora maioria das igrejas está anunciando a seus fiéis: ‘tomemos cuidado’", disse Feliciano. 

##RECOMENDA##

A fala se baseia no fechamento temporário das igrejas e estabelecimentos comerciais como medida sanitária na pandemia. Um jornal chegou a ser distribuído na entrada da Assembleia de Deus do Brás, no centro de São Paulo, com destaque à necessidade de combater a doutrinação progressista.  

No país com mais de 30% da população evangélica, a constituição brasileira veda a perseguição religiosa e o fechamento de igrejas. Em 2003, o próprio ex-presidente Lula regulamentou a liberdade para a expansão de igrejas no Brasil. 

 A pesquisa BTG/FSB apontou, nesta segunda-feira (15), que o desempenho de Lula (PT) aumentou com a chegada de André Janones em sua campanha. O presidente Jair Bolsonaro (PL) segue atrás, com 11% de diferença. 

O petista progrediu 5 pontos percentuais e alcançou 45% das intenções de voto, de acordo com o estudo. Bolsonaro foi mencionado por 34% do eleitorado e segue na segunda colocação. Conforme o levantamento, 5% afirmaram que não votarão em nenhum dos dois. 

##RECOMENDA##

 Fora da polarização, Ciro Gomes (PDT) subiu 1 ponto percentual e registrou 8% dos votos. Simone Tebet (MDB) foi escolhida por 2% dos entrevistados. Os demais candidatos somam 1%, mesmo índice de votos brancos e nulos. 

A pesquisa BTG ouviu 2.000 eleitores por telefone entre os dias 12 e 14 de agosto. A margem de erro é de 2 pontos percentuais e seu índice de confiança alcança 95%. O levantamento está registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o protocolo BR-00603/2022. 

A partir desta terça-feira (16), os candidatos, partidos e federações estão liberados para fazer propaganda eleitoral na internet e nas ruas. Os candidatos terão 46 dias para pedir o voto do eleitor. 

Até 1º de outubro, um dia antes do primeiro turno, está liberada a realização de caminhadas, carreatas com carro de som, distribuição de material de campanha, comícios e compra de publicidade paga nos meios de comunicação. 

##RECOMENDA##

Os comícios poderão ser feitos entre as 8h e a meia-noite, horário que poderá ser prorrogado por mais duas horas no caso de campanha. Os carros de som estão liberados para transitar nas ruas entre as 8h e as 22h. Showmícios gratuitos são proibidos pela lei. 

A distribuição de material de campanha pelos candidatos durante passeatas ou carreatas só poderá ser feita até as 22h. 

Os partidos e candidatos também poderão comprar até dez anúncios de propaganda eleitoral em jornais e revistas diferentes, em datas diversas, respeitando o espaço máximo por edição de um oitavo por página de jornal e de um quarto de página de revista. 

Na internet, a propaganda eleitoral pode ser feita em sites e redes sociais, mas deve ser identificada como publicidade e exibir o nome do candidato, partido, coligação ou federação. A propaganda por meio de telemarketing também é proibida. 

O impulsionamento de conteúdo por apoiadores é proibido. O disparo de mensagens só pode ser feito aos eleitores que se cadastrarem voluntariamente para recebê-las. 

A propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão começa no dia 26 de agosto. 

O primeiro turno ocorre no dia 2 de outubro, quando os eleitores vão às urnas para eleger o presidente da República, governadores, senadores, deputados federais, estaduais e distritais. Um eventual segundo turno  para a disputa presidencial e os governos estaduais será em 30 de outubro. 

Do colo dos pais aos braços dos eleitores. A herança política é um dos principais atributos para atrair votos no Brasil. Na disputa ao Governo de Pernambuco, os principais candidatos são naturais de famílias com histórico político. 

Mais valioso que ter a candidatura apadrinhada, ser representante de uma família influente na política geralmente rende uma eleição com menos esforço. A mídia atraída por Jair Bolsonaro, antes de ser presidente, foi suficiente para eleger três filhos, dois no Congresso e um no Rio de Janeiro. Também como o nome do pai, João Campos conseguiu chegar na Câmara dos Deputados e ser conquistar a Prefeitura do Recife. A estratégia com o nome de Eduardo Campos foi tão eficaz que vai ser repetida pelo irmão mais novo Pedro Campos na campanha para deputado federal. 

Fernando Bezerra Coelho ao lado dos filhos na política/Ivaldo Reges

##RECOMENDA##

Na disputa pelo Governo de Pernambuco, Miguel Coelho (UB) é fortalecido pelo pai, o ex-líder do governo Bolsonaro no Senado, Fernando Bezerra Coelho. O patriarca da Família Bezerra Coelho é sobrinho do ex-governador de Pernambuco Nilo Coelho e já foi Ministro da Integração do governo de Dilma Roussef, além de secretário de Desenvolvimento Econômico do governador Eduardo Campos. Seu prestígio do Sertão de Pernambuco à Brasília conferiu a entrada de Miguel na Política e a eleição de outros filhos, o deputado federal Fernando Filho e o estadual Antônio Coelho.

 Manoel Ferreira entre os filhos André e Anderson/Divulgação

Oriundo de uma família que avançou na política pelo voto evangélico, Anderson Ferreira (PL) é filho do deputado estadual Manoel Ferreira, que está no seu oitavo mandato como deputado estadual. Ele também é irmão do deputado federal André Ferreira, um dos parlamentares mais alinhados a Bolsonaro e que foi escolhido como coordenador da campanha de reeleição do presidente em Pernambuco. 

 O ex-secretário de Planejamento de Paulo Câmara, Danilo Cabral (PSB) é filho do ex-deputado estadual Adalberto Farias Cabral. Seu pai também foi secretário do Recife, presidiu a antiga CTTU, e atuou como corregedor do Tribunal de Contas do Estado (TCE), onde passou pela Presidência. 

Raquel acompanhada do pai João Lyra Neto/Divulgação

 A chapa formada por Raquel Lyra (PSDB) e Priscila Krause (Cidadania) pode ser considerada a que carrega uma maior herança política. Raquel é filha do ex-governador João Lyra Neto, tem o jurista João Lyra Filho - reconhecido como Patrono do Direito Desportivo no Brasil - e seu bisavô foi o senador João Lyra Tavares.



 Priscila em campanha com Gustavo Krause/Divulgação

Sua vice candidata, Priscila Krause é filha do ex-governador Gustavo Krause. Ele também foi Prefeito do Recife e Ministro da Fazendo de Itamar Franco, além de Ministro do Meio Ambiente de Fernando Henrique Cardoso. 



Marília ao lado do pai Marcos Arraes/ Roberto Pereira

Embora seu pai não tenha ingressado em cargos representativos, Marília Arraes prioriza citar o avô Miguel Arraes em seus discursos. Ela é filha do advogado e ex-diretor da Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás) Marcos Arraes, filho do ex-governador. 

Uma estudante de Filosofia foi presa pela Polícia Militar (PM) durante ato em defesa da democracia em Florianópolis (SC), na noite desta quinta-feira, 11. A jovem foi presa em flagrante por pichar uma agência bancária, de acordo com a PM. Autuada por pichação, desacato, resistência e lesão corporal, a manifestante foi levada para o 5º Departamento de Polícia Civil e em seguida encaminhada para o presídio feminino da capital. A estudante foi ouvida durante audiência de custódia nesta sexta-feira, 12, e será liberada.

De acordo com a defesa da estudante, a Justiça entendeu que não haveria justificativas para conversão do flagrante em prisão provisória, por ser estudante, ter residência fixa e bons antecedentes. Assim, ficou como única condição a manutenção de seu endereço atualizado durante o processo.

##RECOMENDA##

Em nota, a Polícia Civil de Santa Catarina informou que a estudante deu uma mordida no braço de um policial militar. A Coordenadora Geral do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica e Profissional, Elenira Vilela, que também participou do ato, afirma que viu a polícia encurralar a estudante após terem visto a pichação. Segundo Vilela, neste momento, os manifestantes pararam a caminhada para esperar qual seria o desfecho, enquanto a polícia chamava reforços (cavalaria e viaturas).

Em um determinado momento, uma pessoa presente na manifestação tentou puxar a estudante e retirá-la de perto da polícia, o que provocou reação dos policiais militares. "Foi aí que eles começaram a bater em todo mundo, dar tiro com bala de borracha. Eu e várias pessoas levamos porrada de cassetete", afirma a coordenadora.

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), instituição em que a mulher presa é estudante, emitiu nota de repúdio em que "apresenta veemente protesto contra o uso da força excessiva, truculência e abusos cometidos pela Polícia Militar do Estado de Santa Catarina".

"A jovem, detida supostamente por fazer pichações, foi imobilizada à força, em atitude de nítida truculência. No momento da prisão fica evidente a atitude injustificável dos policiais, que deveriam estar no ato para garantir a segurança dos manifestantes", afirmou a administração da universidade.

Um manifestante chegou a ser baleado no pé após a polícia usar balas de borracha para dispersar as pessoas que questionavam a prisão da estudante. Ele foi encaminhado para um hospital e está impossibilitado de andar após lesão no ligamento e tendão. De acordo com outros estudantes que participaram do ato, a jovem escrevia na fachada de um banco com tinta não-permanente quando foi abordada pelos policiais.

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/SC) também se manifestou contra a prisão da estudante, e disse que a liberdade de manifestação pacífica "é um direito previsto na Constituição, e que deve ser garantido pelas autoridades públicas". "A OAB/SC repudia o ocorrido e informa que, por intermédio da Comissão de Direitos Humanos, está acompanhando o caso para garantir auxílio jurídico à estudante presa", afirmou em nota.

Leia a nota da Polícia Civil:

A respeito do fato, a mulher foi encaminhada pela Polícia Militar na noite de quinta-feira (11/08) à Central de Plantão Policial (CPP) da Polícia Civil, em Florianópolis. Diante de situação flagrancial respaldada por prova testemunhal, imagens e laudo de uma forte mordida no braço do policial militar, ela foi autuada em flagrante delito pelos crimes de pichação e dano ao patrimônio público (lei 9.605), desacato, resistência e lesão corporal ao policial militar. Depois, ainda à noite, ela foi encaminhada ao sistema prisional da Capital, onde aguarda por audiência de custódia com o Judiciário.

Os candidatos ao Governo de Pernambuco declararam seus patrimônios e aguardam pelo julgamento da Justiça Eleitoral para confirmar a participação na eleição. Além de bens como veículos e imóveis, alguns itens da lista chamam atenção, como uma conta corrente com R$ 1,00.

Com um perfil mais investidor, Miguel Coelho (UB) é o concorrente com maior patrimônio. Com aplicações em fundo imobiliários e em renda fixa, o ex-prefeito de Petrolina ainda informou que possui R$ 749.749,53 em crédito decorrente de empréstimo. O patrimônio total declarado por Miguel chega a R$ 1.966.870,43. 

##RECOMENDA##

Sem nenhum veículo, Anderson Ferreira (PL) declarou que possui R$ 1.790.962,77. Seu bem mais valioso é um apartamento de R$ 1.347.390,42. Em contrapartida, o concorrente apoiado por Jair Bolsonaro também possui duas casas simples no valor de R$ 40 mil e R$ 28 mil. 

Atual líder nas pesquisas de intenção de voto, Marília Arraes (Solidariedade) também tem seus investimentos e é a terceira candidata com maior patrimônio declarado. Seus bens atingem R$1.173.614,64, mas o destaque ficou para os R$146.000 declarados em espécie. 

Com um terreno de R$ 5 mil e até mesmo um consórcio não contemplado de R$ 55.138,58, Danilo Cabral (PSB) informou que tem o patrimônio de R$ 980.681,55. Entre os bens mais valiosos, o candidato da situação tem um veículo avaliado em R$ 203.209,12. 

Antes, Raquel Lyra (PSB) havia declarado apenas R$ 11 mil. Após a repercussão do baixo valor informado pela ex-prefeita de Caruaru, a candidata corrigiu a lista e apresentou R$ 340.576,99. Seu maior patrimônio é um apartamento de R$ 289.574,20, mas o que chamou atenção foi a declaração de uma conta corrente com R$ 1,00. 

Logo atrás, com uma pequena diferença, por pouco o pastor Wellington não ultrapassa os bens declarados por Raquel. O representante do PTB declarou R$337.361,00. 

Jadilson Bombeiro (PMB) informou à Justiça Eleitoral que possui R$ 210.000,00. Enquanto, Cláudia Ribeiro (PSTU) apontou que não possui sequer um bem em seu nome. 

Na tarde desta quinta-feira (11), a vice-presidente do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE-PE), Teresa Duere, entregou ao presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), André Guimarães, a lista com os nomes dos gestores que tiveram as contas julgadas irregulares pela Corte nos últimos oito anos. 

O documento traz os nomes de 174 prefeitos de 126 municípios e 959 gestores de 339 órgãos e entidades públicas, entre secretários, diretores, gerentes, superintendentes e ordenadores de despesas do Estado. Esses dados devem auxiliar a Justiça Eleitoral pernambucana a decidir quem poderá ou não concorrer às eleições de 2022, com base na lei da ficha limpa.

##RECOMENDA##

Sete ex-prefeitos de cidades do Grande Recife tiveram suas contas rejeitadas pelo TCE, entre eles o ex-prefeito do Cabo de Santo Agostinho, Lula Cabral e o ex-prefeito de Goiana, Henrique Fenelon de Barros Filho, que teve o maior número de contas não aprovadas.

Segundo Teresa Duere, os problemas mais graves das prefeituras são os da previdência. “As questões constitucionais de Educação e Saúde, infelizmente os prefeitos não cumprem esses itens. Em relação ao pessoal é o problema porque fica sem dinheiro. Tem prefeitos que têm 78% da folha para o pessoal de receita. O que resta para investir na cidade?”, questionou. “Há limitações em relação a lei de ser elegível ou não, cabe ao Tribunal Eleitoral verificar se estão ou não”, complementou.

Por sua vez, André Guimarães explicou que os elementos dos subsídios levados pelo TCE serão analisados pelos desembargadores no que diz respeito às candidaturas. “Se alguns candidatos ou candidatas tiverem com algum problema de conta, os desembargadores avaliarão se se enquadra na inelegibilidade. Esse documento subsidiaria os desembargadores para esta importantíssima e seríssima decisão de declarar ou não e a elegibilidade ou não”, detalhou. 

O prazo final para a conclusão do julgamento das candidaturas é até 12 de setembro, 15 dias antes da votação. “A nossa Corte, com toda certeza, analisará todos os pedidos. Nosso interesse é julgar o quanto antes”, afirmou o desembargador. 

O desembargador eleitoral Rodrigo Beltrão detalhou que o tribunal analisa um check-list de informações sobre elegibilidade ou eventuais causas de inelegibilidade. “Nessa lista é possível o Ministério Público Eleitoral impugnar o candidato e os desembargadores vão julgar a condição de elegibilidade ou inelegibilidade do candidato que busca mandato”, contou. 

Confira a lista dos ex-prefeitos do Grande Recife que tiveram as contas rejeitadas:

Lula Cabral, ex-prefeito do Cabo de Santo Agostinho, Gestão de 2017;

Jairo Pereira de Oliveira, ex-prefeito de São Lourenço da Mata, contas de 2004 rejeitadas;

Jerônimo Gadelha de Albuquerque Neto, ex-prefeito de Abreu e Lima, contas de 2000 e 2001 rejeitadas;

Gesimário Pessoa Baracho, ex-prefeito de Igarassu falecido em 2019, contas de 2011 rejeitadas;

Claudio Luciano da Silva Xavier, ex-prefeito de Itapissuma, teve as contas de 2014 rejeitadas;

Henrique Fenelon de Barros Filho, ex-prefeito de Goiana, teve as contas de 2006, 2008, 2009, 2011 e 2012 rejeitadas;

Marcos Augusto Cordeiro dos Santos, ex-prefeito da Ilha de Itamaracá, teve as contas de 2003 e 2004 rejeitadas;

Edvard Bernardo da Silva, ex-prefeito de Moreno, teve as contas de 2007, 2009 e 2012 rejeitadas.

*Com informações de Jameson Ramos 

A candidata a deputada estadual de Pernambuco Lucinha Mota (PSDB), publicou em suas redes sociais uma “vaquinha virtual” para arrecadar dinheiro para sua campanha, nesta quarta-feira (10). Até esse momento, apenas uma pessoa contribuiu com R$ 30.

Na publicação de divulgação, a candidata falou da sua filha Beatriz, que foi morta aos 7 anos  e afirmou que lutará pela vida. 

##RECOMENDA##

"Minha luta nasceu do amor pela minha princesinha Beatriz e em meio a tanto sofrimento e dor, “os caquinhos” que restaram foram juntados e serviram de alicerce para que eu levantasse em prol da luta pela vida, pela segurança, por justiça, buscando dar voz aos que buscam por justiça pela perda de entes queridos, pelo fortalecimento das instituições policiais e de justiça, eficiência e rapidez no combate ao crime". 

Faltando menos de dois meses para as eleições, o pastor e deputado estadual Cleiton Collins e a vereadora Michele Collins, ambos do partido Progressistas (PP), declararam apoio ao candidato ao Governo de Pernambuco, Miguel Coelho (União Brasil), nesta terça-feira (9). 

Aumentando a visibilidade de Miguel com o público evangélico, o casal oficializou o apoio a Miguel na presença de apoiadores, lideranças e membros de igrejas evangélicas. “Este caminho que estamos trilhando não é para projetos pessoais. É um caminho para fazer nosso estado voltar a brilhar como o sol de nossa bandeira e para que os pernambucanos possam se orgulhar de novo. Eu peço a união do povo de Deus de Pernambuco para que possamos transformar o nosso estado”, disse o candidato.

##RECOMENDA##

Já Cleiton lembrou da gestão de Miguel à frente da Prefeitura de Petrolina para justificar a adesão. “Conheço a trajetória e a vida dele. Conheço a vida, a obra e a trajetória de todos os candidatos. Para mim, Miguel é o mais preparado. Eu sei que você se preparou e tenho certeza que Deus vai te dar a chance de ser governador."

Por fim, Michele afirmou que a decisão de apoiar Miguel foi bem pensada e madura. “Recentemente tive a honra de conhecer Petrolina. É uma cidade muito estruturada, bem cuidada, organizada. Fiquei impactada com o que vi. Tive mais convicção da minha escolha quando conversei com os pastores de Petrolina e me falaram que ele sempre foi um parceiro das igrejas. Minha decisão foi amadurecida e quando li sua carta ao povo de Deus, não tive mais dúvidas. Miguel, pode contar comigo, estamos juntos com você”, declarou.

A vereadora de São Paulo Erika Hilton (PSOL) e a vereadora suplente de Porto Alegre Natasha Ferreira (PSOL) acionaram o Ministério Público Federal (MPF) nesta quarta-feira, 10, contra falas homofóbicas do presidente Jair Bolsonaro (PL) durante participação no "Flow Podcast" na segunda, 8. Segundo as parlamentares, o chefe do Executivo cometeu crime de LGBTQfobia ao relacionar, de forma pejorativa e preconceituosa, a doença varíola dos macacos (monkeypox) com representantes da comunidade LGBT+.

Durante a entrevista, Bolsonaro perguntou ao apresentador Igor Coelho se ele tomaria vacina contra a varíola dos macacos. Coelho afirmou que sim, e o presidente, em tom irônico, comentou: "Eu tenho certeza que vai tomar... Tu não me engana! Tu não me engana!".

##RECOMENDA##

Segundo a ação das vereadoras, é possível encontrar "piadinhas, deboche, ironia e homofobia" em cada palavra dita por Bolsonaro nesse trecho do programa. O tom da conversa deriva do fato de haver alta incidência da doença entre "homens que fazem sexo com homens" (HSH), o que tem proporcionado uma onda de comentários preconceituosos, homofóbicos e desinformação sobre o assunto e as formas de contágio.

A situação é equiparada, para muitos, com o cenário de repulsa que a comunidade LGBT+ viveu na década de 1980, quando foi alvo perseguição motivada pela epidemia do HIV/Aids.

"Fica evidente que os dizeres "tu não me engana, tenho certeza que tu vai tomar e tu não entendeu né?" são claras menções LGBTQfóbicas do presidente, nas quais ele insinua que ao tomar a vacina o entrevistador seria gay e, por isso, estaria preocupado com a doença", afirma o documento.

Ao Estadão, a vereadora Erika Hilton, que é trans, afirmou que a ação é uma forma de impedir que o presidente tente pautar o debate público com violência. "Se tem algo que Bolsonaro aprendeu nesses anos é cometer crimes contando com a impunidade, disfarçando suas falas como piadas. Entramos no Ministério Público novamente, pois nenhum tipo de estigma negativo e violência, desde os mais sutis aos mais explícitos, podem passar impune", disse.

Em rede social, a parlamentar travesti Natasha Ferreira afirmou que o estigma de que a doença está relacionada com comportamento homossexual tem feito parte do discurso de grupos conservadores contra a comunidade LGBT+. "Quando Bolsonaro faz esse tipo de piada nas entrelinhas, tenta se proteger, mas deixa evidente o preconceito e a mensagem de discriminação é entregue. Homofobia é crime no Brasil. Não vamos silenciar", disse.

Mesmo que o vírus tenha se espalhado mais rapidamente entre homens gays e bissexuais, especialistas alertam que a contaminação pode migrar para outros grupos. Em São Paulo, por exemplo, o governo estadual informou na quinta-feira passada, 4, que duas grávidas, cinco crianças e cinco adolescentes foram diagnosticados com a doença.

Além do partido, o general Hamilton Mourão mudou de 'raça' e até o próprio nome na urna. Atualmente no Republicanos, em 2018, o vice-presidente se apresentava como indígena quando registrou a candidatura pelo PRTB. Quatros anos depois, ele diz ser branco para a disputa ao Senado.

De 2018 para cá, a vida de Mourão mudou drasticamente. Pelo menos é o que aponta seu registro junto à Justiça Eleitoral. Nascido em Porto Alegre, o vice de Bolsonaro era apresentado nas urnas como general Mourão. Em 2022, ele decidiu retirar a patente militar como estratégia de campanha.

##RECOMENDA##

Em relação aos bens declarados, desde que ingressou no Planalto, o postulante ao Congresso obteve a evolução patrimonial de aproximadamente 176%. Em 2022, Mourão declarou ter R$ 1,1 milhão. Em 2018, ele informou que seu patrimônio era de R$ 414 mil.

A pesquisa G10 Favelas, feita pelo Instituto Favela Diz, apontou que Jair Bolsonaro (PL) é o presidenciável mais rejeitado por moradores de comunidades. Além de apresentar as intenções de voto, o estudo revela quais as prioridades para o futuro Presidente ingressar no mandato.

De acordo com o levantamento, Lula (PT) lidera as intenções de voto com 38% dos eleitores. Bolsonaro vem em seguida, com 31%, e Ciro Gomes (PDT) assume a terceira posição com 7%. 

##RECOMENDA##

Os demais concorrentes não alcançaram 2%. Outros 13,7% não souberam responder ou optaram por não responder.

Na pesquisa espontânea, quando os candidatos não são apresentados ao eleitor, Lula manteve a vantagem com 36%, enquanto Bolsonaro foi a preferência de 29%. Ciro pontuou apenas 4% e 24% afirmou que não sabem em quem votar ou não respondeu.

Rejeição

Quase metade do público apontou que o atual presidente é o candidato mais rejeitado. Questionados sobre qual postulante não votariam, 45% mencionou Bolsonaro e 32% indicou Lula.

Prioridade na gestão

Também foi perguntado sobre a prioridade do próximo presidente. Cerca de 19% quer o foco na geração de empregos, 17% defende a melhoria do sistema de saúde, 16% sugere a redução da inflação e a diminuição do preço de alimento, gás e combustível, 14,93% cita o combate à pobreza e 8,85% indicou que deve ser o combate à corrupção.

Metodologia

A pesquisa foi feita por telefone, entre os dias 28 de julho e 4 de agosto, e ouviu dois mil moradores de favelas espalhadas em 64 cidades de 24 unidades federativas. A margem de erro é de dois pontos percentuais e o índice de confiança é de 95%. O estudo foi registrado no TSE sob o número  BR-09451/2022.

Marília Arraes (Solidariedade) é a candidata ao Governo de Pernambuco com maior intenção de voto, de acordo com a Pesquisa Real Big Data, dessa segunda-feira (8). A postulante assume a liderança tanto no cenário espontâneo quanto no estimulado. 

Na modalidade estimulada, quando o entrevistado escolhe entre os candidatos apresentados pelo pesquisador, o estudo mostra a vantagem de Marília com 28% dos votos. A briga pela vaga ao segundo turno se mostrou acirrada com o empate entre Raquel Lyra (PSDB) e Anderson Ferreira (PL), com 14%.  

##RECOMENDA##

Danilo Cabral (PSB) aparece na quarta posição com 12% do eleitorado, enquanto Miguel Coelho (União Brasil) foi citado por 9%. Brancos e nulos representam 9% e 11% disseram que ainda não sabem em quem votar ou não respondeu. 

No recorte espontâneo, quando nenhum nome é apresentado ao entrevistado, Marília Arraes (Solidariedade) teve uma queda de desempenho, mas manteve a liderança com 15%. Raquel (PSDB) e Anderson (PL) ainda sustentam o empate técnico. Ela com 8% e ele com 7%. Danilo alcançou 5% e Miguel 4%. 

O destaque da pesquisa ficou para os 48% dos eleitores que ainda estão indecisos ou que não responderam. Brancos e nulos representam 13%. 

Senado 

O levantamento da Real Big Data também se voltou para a disputa ao Senado. Conforme a análise, Teresa Leitão (PT) alcançou 18%, Gilson Machado Neto (PL) obteve 15%, André de Paula foi mencionado por 10% e Eugênia Lima ficou com 1%. Brancos e nulos representaram 26%, assim como os que não sabem ou não responderam. 

Metodologia

A pesquisa ouviu 1.500 eleitores do estado por telefone, entre 5 e 6 de agosto. A margem de erro é de 3 pontos percentuais e a confiança de 95%. O estudo foi registrado no TSE sob o número PE-02870/2022. 

O ex-presidente Lula (PT) ainda é a principal escolha dos eleitores, mas, de acordo com a pesquisa BTG Pactual, divulgada nesta segunda-feira (8), em parceria com o Instituto FSB, Jair Bolsonaro (PL) conseguiu diminuir a diferença e arrancou votos do concorrente. Enquanto o petista caiu três pontos percentuais, o atual presidente cresceu na mesma proporção em duas semanas. 

A pesquisa estimulada, quando o pesquisador cita a lista de candidatos ao entrevistado, apontou que Lula segue na liderança com 41% das intenções de voto, mas Bolsonaro segue em crescimento, com 34%. Comparada ao levantamento feito na última semana de julho, a pesquisa mostra que a diferença entre os dois caiu seis pontos percentuais. 

##RECOMENDA##

O resultado apresentado entre os dias 22 e 29 de julho aponta que Lula caiu de 44% e Bolsonaro subiu de 31%. Ciro Gomes (PDT) é o concorrente mais bem avaliado fora da polarização, mas atingiu apenas 7%. 

Na pesquisa espontânea, quando o próprio eleitor cita o candidato em que pretende votar, Lula foi mencionado por 38% e Bolsonaro por 31%. No recorte anterior, o petista teve o desempenho de 40% e o atual mandatário registrou 30%.  

Nesse formato, Ciro foi apontado por 3%. Índice inferior aos entrevistados que não souberam responder, que foi de 14%. Outros 6% informaram que não votariam em nenhum candidato, enquanto 4% indicaram que vão votar branco ou nulo. 

Realizada entre os dias 5 e 7 de agosto, o BTG Pactual ouviu dois mil eleitores por telefone. A confiança do estudo é de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-08028/2022. 

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) recebeu ontem (6) o pedido de registro de candidatura da senadora Simone Tebet (MDB-MS) à presidência da República. A chapa também é composta pela senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP), candidata à vice-presidência.

No pedido de registro, Tebet declarou possuir bens declarados no valor de R$ 2,3 milhões, entre imóveis e depósito em conta bancária. A lista de bens de Mara Gabrilli soma R$ 12,8 milhões, entre imóveis e investimentos financeiros. 

##RECOMENDA##

As candidaturas serão apoiadas pela federação partidária PSDB-Cidadania e o Podemos. 

O pedido de registro de candidatura na Justiça Eleitoral é o primeiro passo para a oficialização dos nomes dos candidatos que foram aprovados nas convenções partidárias e pretendem concorrer às eleições de outubro.

Oficialmente, a campanha eleitoral, quando os candidatos podem efetivamente pedir votos e divulgar seus números, começa no dia 16 de agosto. O registro no TSE e nos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) deve ser feito até o dia 15 de agosto.

O total de eleitores que declaram ter algum tipo de deficiência ou mobilidade reduzida aumentou 35,27% em quatro anos, passando de 939.915 para 1.271.381, segundo o perfil do eleitorado divulgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília. Segundo a Justiça Eleitoral, mais de 156 milhões de pessoas estão aptas a votar nas Eleições 2022.

Entre os mais de 1,2 milhão de eleitores com necessidades especiais, 30,47% declararam ter algum tipo de deficiência de locomoção, 13,3% visual e 7,97% auditiva. A fim de melhor atender essa parcela de eleitores, a Justiça Eleitoral implantou “diversos mecanismos que asseguram a essas pessoas a possibilidade de votar em locais com maior acessibilidade”.

##RECOMENDA##

No entanto, para acessar esses mecanismos é necessário que o interessado faça uma solicitação junto ao cartório eleitoral “em tempo hábil”.

“A eleitora e o eleitor nessa situação têm prazo até o dia 18 de agosto para solicitar a transferência para uma seção com maior acessibilidade. As seções especiais são espaços adaptados pela Justiça Eleitoral que oferecem fácil acesso e maior comodidade e segurança no momento do voto”, informou o TSE.

O requerimento pode ser feito em qualquer cartório eleitoral pela própria pessoa interessada, munida de documento oficial com foto, ou por meio de curador, apoiador ou procurador.

Novos recursos

O TSE disse que aprimorou alguns dos softwares já existentes e que instalou “novos recursos de acessibilidade” nas urnas eletrônicas a serem utilizadas nestas eleições de 2022. Entre os novos recursos estão equipamentos que fazem tradução para a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

“Além disso, um vídeo feito por uma intérprete de Libras será apresentado em todas as 577.125 urnas eletrônicas preparadas para o pleito, indicando para eleitoras e eleitores qual cargo está em votação no momento, nesta sequência: deputado federal, deputado estadual ou distrital, senador, governador e presidente da República”, acrescentou o tribunal.

Serão também disponibilizados nas seções eleitorais fones de ouvido para ajudar eleitoras e eleitores cegos ou com baixa visão. Sinais sonoros indicarão o número escolhido e será dado um retorno com o nome da candidata ou do candidato, por meio de voz sintetizada.

O pré-candidato ao Governo de Pernambuco Danilo Cabral (PSB) aproveitou a vinda de Jair Bolsonaro (PL) ao Recife, neste sábado (6), para cobrar pelo recurso prometido pelo presidente aos desabrigados após as chuvas que atingiram a Região Metropolitana do Recife (RMR) em maio deste ano. O representante da Frente Popular disse que Bolsonaro não merece o voto dos pernambucanos.

Enquanto Jair Bolsonaro participava da Marcha para Jesus, em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, Danilo Cabral foi às redes sociais para questionar o comprometimento do presidente com as vítimas das chuvas dos últimos meses.

LeiaJá também

##RECOMENDA##

---> Jair Bolsonaro defende que o Brasil seja 'um país livre'

---> C
onfira imagens da moticiata de Bolsonaro no Recife

"Quanto está trazendo do R$ 1 bilhão em recursos que prometeu aos desabrigados e, até hoje, ainda não enviou nada?", indagou. O pré-candidato ainda propôs que Bolsonaro iludiu os pernambucanos e, por isso, não merece votos no estado.

[@#video#@]

 

O ex-presidente e candidato ao cargo de Chefe do Executivo, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) reúne, em torno da sua candidatura, o maior número de alianças políticas desde a primeira disputa ao Planalto, em 1989. Na última convenção, realizada na última sexta-feira (5), Lula contabilizava nove partidos aliados.

Entre as legendas que já oficializaram o apoio ao petista, estão o Partido Comunista do Brasil (PCdoB), Partido Verde (PV), Partido Socialista Brasileiro (PSB), que culminou com Geraldo Alckmin como vice na chapa presidencial, PSOL, Rede Sustentabilidade, Solidariedade, Avante e Agir, que e o antigo PTC.

##RECOMENDA##

Com o fechamento da janela para a realização de coligações partidárias, o PT finaliza com o quantitativo relevante que refletirá no tempo de propaganda eleitoral da chapa Lula-Alckmin em veículos de comunicação. No entanto, mesmo fora do prazo estipulado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), outras legendas podem engajar nas redes sociais e palanques. 

No último dia do prazo das convenções, nesta sexta-feira (5), o Partido Progressista (PP) apresenta seus candidatos para Pernambuco nas eleições de 2022. O evento ocorre às 14h, na sede do partido, na Avenida Antônio de Góes, no bairro do Pina, Zona Sul do Recife.  

Entre os representantes do PP, o presidente estadual da sigla, o deputado federal Eduardo da Fonte, vai oficializar candidatura de Marília da Guarda à Câmara dos Deputados. Integrante da Guarda Civil Municipal do Recife (GCMR), ela defende a valorização dos agentes da segurança e a representatividade feminina no espaço político.  

##RECOMENDA##

Ela comentou sobre o que os pernambucanos podem esperar da sua campanha para deputada federal. "O povo pernambucano pode esperar de nós uma campanha limpa e transparente, com foco na segurança, nas mulheres, e nas conquistas dos direitos dos trabalhadores. Neste momento de ataques a democracia e aos direitos fundamentais das mulheres e dos trabalhadores, sinto uma responsabilidade ainda maior em ocupar esse lugar", destacou.  

O Partido Progressista faz parte da Frente Popular e defende as campanhas de Danilo Cabral (PSB) para o Governo do Estado e Teresa Leitão (PT) para o Senado.

 

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando